Porto . 2016-2017
Habitação . 200m2

A Casa de Quinze de Novembro, construída num lote estreito e comprido, com três pisos, duas frentes e jardim nas traseiras, típica do Porto burguês do séc. XIX, encontrava-se em razoável estado de conservação e possuía características construtivas e ornamentais que importava preservar. Pretendia-se manter as características originais da casa, reabilitando elementos estruturais e construtivos, dotando-a ao mesmo tempo de espaços sociais amplos e luminosos, mais ajustados às características pretendidas pelos clientes. A organização interior manteve-se globalmente, apenas com ligeiras alterações no sentido de adaptar a casa às novas exigências programáticas.
Durante a elaboração do projecto foi tido em consideração o facto do edifício ser parte integrante de uma frente de rua consolidada e possuir características da típica casa burguesa do Porto (séculos XVIII a XX). Nesse sentido, as alterações propostas, baseadas num levantamento prévio dos elementos construtivos e das patologias existentes, procuraram minimizar o impacto no edifício, preservando e valorizando as suas características originais, respondendo ao pretendido pelos proprietários, e garantindo o respeito pelos princípios ditados pelas Cartas e Recomendações Internacionais na área da Conservação, nomeadamente a Compatibilidade e a reduzida intrusividade.
Paralelamente, o facto do edifício se encontrar, à data da inspecção inicial e do arranque do projecto, em razoável estado de conservação, levou a que a proposta envolvesse a preconização de intervenções localizadas, nomeadamente através da reabilitação dos elementos construtivos existentes e da utilização de soluções baseadas em materiais e técnicas tradicionais. A introdução de novas infra-estruturas, nomeadamente hidráulicas, eléctricas, de telecomunicações e de climatização, importantes para melhorar os níveis de conforto e de segurança do edifício, foi pensada de forma a colidir o menos possível com os elementos construtivos existentes.
O piso -1, em pior estado de conservação, e com uma relação directa com o jardim que se pretendia potenciar, foi alvo de uma maior transformação em termos de elementos construtivos e de organização espacial, tendo no entanto mantido a função social. Neste piso assumiu-se uma linguagem mais contemporânea através de espaços mais amplos. Em particular, na abertura da sala de jantar e na separação da cozinha com a lavandaria, onde foi construído um envidraçado em ferro e vidro, amplificando a entrada de luz na cozinha. Nos dois pisos superiores, piso térreo e 1º piso, que mantiveram o uso original, salas e quartos, respectivamente, a intervenção foi pontual, decorrente de necessidades específicas como a instalação de novas instalações sanitárias, optando-se pela preservação de tectos, soalhos e carpintarias interiores. Nas instalações sanitárias procurou-se adoptar materiais de revestimento compatíveis com os existentes, de forma a manter alguma continuidade entre os espaços.
A fachada principal, integrada num conjunto de 2 casas, foi reabilitada, através da limpeza da cantaria de granito e da consolidação dos azulejos biselados, tão típicos desta época. A fachada posterior, que se encontrava em muito mau estado de conservação, teve de ser substituída por uma nova fachada em estrutura de madeira, repondo os materiais e alinhamentos originais, com a a aplicação de chapa ondulada na zona central, rebocando o volume lateral em alvenaria de pedra correspondente às instalações sanitárias. Em ambas as fachadas, as janelas, que se encontravam num estado de conservação muito precário, foram substituídas por réplicas em madeira, melhorando a eficiência energética e o comportamento acústico do edifício.
A reabilitação das pré-existências, materializada através da realização de intervenções pontuais e dirigidas, permitiu valorizar as características originais do edifício, preservando o seu valor patrimonial e garantindo, em simultâneo, uma melhoria das condições de utilização e de conforto.

Arquitectura: Joana Leandro Vasconcelos e Alba Pérez Marqués
Especialidades: Estabilidade . NCREP - Consultoria em Reabilitação do Edificado e Património, Lda; Infraestruturas Hidráulicas . Nelson Magalhães
Construção: CS Construtora
Fotografia: José Campos, Architectural Photography

Porto . 2016-2017
Single family dwelling . 200m2

Quinze de Novembro House, a typical Porto’s bourgeois house of the 19th century, is built in a long and narrow lot, has three floors, two fronts and a garden in the back. The house was in a reasonable state of conservation and had constructive and ornamental characteristics that were important to preserve. It was relevant to maintain its original characteristics, rehabilitating structural and constructive elements and, at the same time, endowing it with ample and luminous social spaces, more adjusted to the client’s pretentions. Internal organization has remained roughly the same and only slight changes were made in order to adapt to the contemporary needs and requirements.
During project planning, it was taken into account that the building is an integral part of a consolidated street front and has characteristics of the typical Porto’s bourgeois house (18th to 20th centuries). In this sense, the proposed changes, based on a previous survey of the constructive elements and the existing pathologies, sought to minimize the impact on the building, preserving and valuing its original characteristics, responding to the owners aspirations, and ensuring respect for the principles dictated by the International Recommendations in Conservation sector, in particular, reducing Intrusiveness.
At the same time, the fact that the building was in a reasonable state of repair at the time of the initial inspection, led the proposal to intervene locally by rehabilitating existing building elements and using solutions based on traditional materials and techniques. The introduction of new infrastructures, such as hydraulic, electrical, telecommunications and air conditioning, which are important for improving the comfort and safety levels of the building, has been designed in order to collide as little as possible with existing building elements.
The basement was the house location that was in worse state of conservation and was object of a greater transformation in terms of constructive elements and spatial organization. With a direct relation with the garden that we intended to potentiate, the basement maintained its original social function, yet, a contemporary language was assumed through broader spaces, particularly with the dining room open space and the glass and iron partition between the kitchen and laundry room, amplifying the entrance of light in the kitchen area. In the two upper floors, ground floor and first floor, their original use was maintained, living rooms and bedrooms, respectively, opting for maintaining ceilings, floors and interior carpentry, and occasional intervention due to specific needs such as new restrooms, where there was an effort to adopt compatible materials, in order to maintain continuity between spaces.
The main façade, integrated in a set of 2 houses, was rehabilitated, through the cleaning of granite stone and the consolidation of the bevelled tiles, so typical of this time. The back façade, which was in very poor state of repair, had to be replaced by a new wooden structure façade, replacing original materials and alignments, with the application of corrugated sheet in the central zone and towing the lateral masonry volume. In both façades, windows were in a very precarious state of conservation, and were replaced by wooden replicas, improving the energy efficiency and acoustic behaviour of the building.
The rehabilitation of the pre-existences, materialized through the implementation of punctual and directed interventions, allowed the building’s original characteristics to be cherished, preserving its patrimonial value and ensuring, at the same time, an improvement in the conditions of use and comfort.

Architecture: Joana Leandro Vasconcelos and Alba Pérez Marqués
Engineering Projects: Stability Project . NCREP - Consultoria em Reabilitação do Edificado e Património, Lda; Hydraulics . Nelson Magalhães
Construction: CS Construtora
Photography: José Campos, Architectural Photography